“Os 5 desafios das equipes” – Review do livro de Patrick Lencioni feito pela nossa equipe do AssessFirst Brasil

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

INTRODUÇÃO – “Os 5 desafios das equipes” é uma leitura envolvente, realista e prática; construída de forma criativa e objetiva. 

Patrick Lencioni divide o livro em duas partes: a fábula sobre uma gestora que precisa liderar um grupo de executivos que é desunido (e cujas posturas afetam a empresa inteira) e a parte técnica-teórica, com ensinamentos sobre os porquês de certas equipes darem certo e outras nem tanto.

Por meio desse mix de parábola + leitura técnica, Lencioni oferece instruções claras para identificar as tendências do comportamento humano que prejudicam o trabalho em equipe e também para o exercício diário da liderança.

Temas super importantes nos tempos que estamos vivendo, em que se percebe a importância do trabalho em equipe para que as coisas funcionem de forma fluida (seja à distância ou presencialmente) e de lideranças participativas, atentas e também preocupadas e orientadas à gestão de mudanças.

Fizemos uma série de posts sobre a obra no LinkedIn do AssessFirst Brasil [Grupo Selpe] e como o retorno foi super positivo decidimos juntar todos eles e transformar nesse review. 

Se puder, leia a obra completa! Neste resumo contamos um pouco sobre o seu conteúdo, mas nada se compara ao detalhamento do livro em si. 

Os 5 desafios das equipes

Quais são os 5 desafios/disfunções abordados no livro? 

– Desafios (disfunções):

  1. Falta de confiança
  2. Medo de conflitos
  3. Falta de comprometimento
  4. Evitar responsabilizar os outros
  5. Falta de atenção aos resultados

– Abordagem positiva: 

Membros de equipes coesas:

  1. Confiam uns nos outros
  2. Se envolvem em conflitos nos quais tudo é debatido
  3. Se comprometem com decisões e planos de ação
  4. Chamam a atenção dos colegas quando estes agem fora dos planos já estabelecidos
  5. Focam o alcance de objetivos coletivos

Vamos entender um pouco melhor cada um deles a seguir…

Cabe aqui já realçar que essas disfunções podem, erroneamente, ser interpretadas como cinco problemas distintos, que poderiam eventualmente ser administrados isoladamente uns dos outros.

Na realidade, porém, elas formam um modelo inter-relacionado, tornando a suscetibilidade a qualquer um dos problemas potencialmente fatal para o sucesso de uma equipe em geral.

Falta de confiança

A primeira disfunção abordada no livro é ausência de confiança entre os membros da equipe. O autor coloca a confiança como a principal base da pirâmide de organização de uma equipe. 

Em geral, a origem da falta de confiança está na não abertura dos membros para se mostrarem vulneráveis dentro do grupo (suscetíveis a erros, com defeitos, pontos fracos, etc.). E, por não serem genuinamente abertos uns com os outros (já que não encontram espaço e tranquilidade pra que isso aconteça), tornam  impossível a construção de bases para o estabelecimento de relações de confiança. 

Medo de conflitos

Segundo o autor, membros de equipes coesas se envolvem em debates (conflitos de ideias) nos quais projetos e problemas são discutidos com a consciência de que a divergência de perspectivas pode engrandecer a busca por melhores soluções. 

Nessas equipes, existe a clareza de que não devemos temer conflitos de ideias pois eles têm como propósito o refinamento e melhoria de soluções. 

Falta de comprometimento 

Segundo Patrick Lencioni,  quando os membros de uma equipe não podem falar abertamente suas opiniões (disfunção gerada pela falta de conflitos saudáveis), eles raramente aceitam e se comprometem de fato com as diretrizes e decisões tomadas. 

Quando as pessoas não se sentem como parte da construção do trabalho e/ou quando consideram que não são ouvidas, abre-se grande espaço para que não haja comprometimento genuíno. 

 Evitar responsabilizar os outros membros da equipe 

Num contexto de falta de confiança, medo do conflito e falta de comprometimento (que são os três desafios/disfunções abordados aqui anteriormente), os membros de uma equipe acabam por não se sentirem à vontade e nem capazes de responsabilizar seus colegas por tarefas, atividades, processos e decisões. 

Ou seja, por não confiarem umas nas outras, terem receio de debates saudáveis e não se comprometerem um plano de ação bem definido, as pessoas passam então a evitar responsabilizar seus colegas por comportamentos e atitudes diversos frente aos processos de trabalho. 

O encadeamento das questões acima deixa claro, mais uma vez, o quanto essas disfunções das equipes abordadas no livro estão inter-relacionadas.

Falta de atenção aos resultados

Por fim, mas não menos importante, essa 5ª disfunção ocorre quando os membros de uma equipe colocam eventuais necessidades individuais (como ego, carreira, reconhecimento, e até o ato de se evitar responsabilizar os colegas por receio de retaliação ou desavenças — 4ª disfunção, abordada aqui no post da semana passada) na frente dos objetivos coletivos de projetos e ações. 

Como já realçamos aqui anteriormente, um dos principais ensinamentos do livro é que os desafios/disfunções das equipes abordados ao longo da obra não podem ser interpretados como cinco problemas distintos (que poderiam ser administrados isoladamente uns dos outros). 

Tais desafios/disfunções formam um modelo inter relacionado; o que torna a suscetibilidade a qualquer uma delas um problema para o sucesso em geral de uma equipe. 

Ou seja, é preciso estar atento e cuidar de todos eles para que nenhum represente uma brecha no bom funcionamento da sua equipe!

Gostou do conteúdo? Depois conte pra gente, aqui ou no LinkedIn do AssessFirst Brasil, se está enfrentando algum desses desafios, como está lidando, etc. 

Obrigada por ter nos acompanhado! 

 “Os 5 desafios das equipes” - Review do livro de Patrick Lencioni feito pela nossa equipe do AssessFirst Brasil Blog

Iara Vianna é Cientista Social e Cientista de Dados
Professora universitária e entusiasta das estratégias de people analytics  – Coordenadora de Marketing e Dados no AssessFirst Brasil)

#trabalhoemequipe #liderança #softskills #gestãodemudanças #assessfirst #assessfirstbrasil

 

Compartilhe nas redes sociais

Deixe seu comentário